CIRURGIAS DE DENTES SISO

 

RETIRAR OS DENTES DO SISO (JUÍZO) PODE EVITAR PROBLEMAS NA ARCADA.

A retirada do dente do siso (popularmente conhecido como dente do juízo) é vista como tabu pela maioria das pessoas devido ao medo do procedimento, de dentista ou por simples falta de informação sobre o assunto. O que essa parcela significativa desconhece é que a não-extração do siso pode acarretar em problemas ainda mais graves do que passar pela cirurgia no momento adequado.

Se o dente ficar dentro do osso sem posição para nascer e não for retirado poderá produzir reabsorções de dentes vizinhos, transtornos dolorosos ao paciente e possiveis degenerações (lesões cisticas). Em grande parte dos casos, os dentes inclusos acabam por desestabilizar a arcada dentária, principalmente a inferior, em função da curva de erupção.

Programado biologicamente para nascer aos 18 anos (ou próximo a isto), o siso tem encontrado empecilhos para surgir. O problema com o 3º molar (ou siso) decorre da alimentação infantil inadequada: calcada basicamente na ingestão de alimentos líquidos e semi-sólidos. Afinal, o maior estímulo de crescimento do osso maxilar é a mastigação eficiente na idade de crescimento, o que se encontra cada vez mais raro. Por isso, o crescimento fica em débito e conseqüentemente o último dente (dente do siso) é o mais prejudicado.

O momento ideal para remoção do siso é quando as raízes ainda não foram completamente formadas, pois isso vai evitar maior dificuldades durante o procedimento, como a quebra do dente em partes menores.

As técnicas cirúrgicas para remoção do dente de siso evoluíram muito e não existe mais motivo para evitar ou temer a extração. Hoje, o especialista pode avaliar por meio de exames complementares, como a radiografia digital, a posição exata do dente e sua relação anatômica com a passagem dos nervos, inclinação das raízes etc. Tudo isso já serve para minimizar os efeitos do procedimento e reduzir também consideravelmente o tempo de cirurgia.

Para esse procedimento cirúrgico pode-se usar da anestesia convencional, permitindo um trabalho tranqüilo e sem angústia para o paciente. É importante lembrar também que, mesmo com uma cirurgia tranqüila, o paciente deve seguir as instruções de repouso, gelo, alimentação leve, cuidado com higienização e tomar a medicação adequada.

 

Outros tratamentos