fbpx
A digestão começa pela boca
Maio 17, 2018
Aftas/estomatite aftosa recorrente
Maio 22, 2018

Amálgama: veneno na boca

Amálgama: veneno na boca

 

Quando os dentes estragam devido à má alimentação, as cáries são geralmente obturados com amálgama — uma técnica simples. Mas o amálgama contém um veneno que intoxica o organismo: o mercúrio. Os índices são mais altos ainda enquanto mascam chiclete. Um estudo de cadáver mostrou a relação clara entre o número e o tamanho das obturações de amálgama e o teor de mercúrio no cérebro e nos rins.

O mercúrio se alastra também através da raiz do dente para todo o organismo. Deposita-se no pâncreas, no fígado e na tiróide. A eliminação do mercúrio depende de vitamina C, zinco e selênio em quantidade suficiente. Uma das causas da liberação de mercúrio nas obturações de amálgama é a diferença de tensão elétrica entre obturações de amálgama e outros metais, como o ouro. Também ocorrem tensões entre obturações de amálgama e obturações de materiais sintéticos. Na presença de uma solução (na boca, a saliva), passa uma corrente entre diferentes metais.  Forma-se um elemento galvânico. O amálgama, menos nobre, é dissolvido e aparece uma corrente elétrica que pode ser medida.

Os riscos são encobertos

Os riscos, quase sempre, são negados e banalizados pelos dentistas. Entretanto, resíduos de amálgamas obtidos nos consultórios dentários não são consideradosinofensivos. Quando o amálgama aparece fora da boca, o perigo que a substância representa é repentinamente reconhecido. A mesma substância torna-se um elemento altamente tóxico — umacontradição que deveria ser notada por qualquer pessoa com um mínimo de senso crítico. Substâncias compostas de mercúrio combinam facilmente com as proteínas e outras macromoléculas. São venenos potentes, que destroem enzimas e membranas celulares.

Envenenamento crônico por sais de mercúrio provoca proteinúria (presença de proteína na urina). O metilmercúrio afeta principalmente o cérebro. Fetos e recém-nascidos são especialmente vulneráveis. Também o mercúrio elementar pode acumular-se no cérebro. A permanência prolongada de mercúrio no cérebro — mesmo e pequena concentração — afeta os centros de controle motor. Por isso, o cérebro é considerado o órgão crítico para a acumulação de mercúrio.

Conseqüências da intoxicação por mercúrio

Os dentes são parte do nosso organismo. Quando doentes, podem afetar todos os órgãos. Os incisivos estão relacionados, por exemplo, com rins, bexiga, próstata e ovários. Os caninos estão relacionados com o fígado e a vesícula biliar. Os dentes podem provocar diversas formas de reumatismo, lesões no coração, nos rins, na pele e, às vezes, até um cansaço generalizado.

Quando os dentes são obturados com mercúrio e perdem continuamente este metal, ocorre uma intoxicação geral e crônica do organismo. Essa difusão do tóxico, muitas vezes, provoca uma sobrecarga para o sistema imunológico. Outras vezes, os dentes ficam moles ou a pessoa emagrece ou fica anêmica. Podem aparecer problemas neurológicos, zumbido nos ouvidos, tremores nas mãos, insônia ou sensibilidade a ruídos. Mesmo quantidades mínimas de mercúrio, que chegam ao organismo durante um tempo prolongado, podem provocar uma série de problemas: dores de cabeça, transtornos da visão, edemas (no rosto, nos lábios, na mucosa da boca, da língua e da garganta), eczema crônico, bronquite asmática, cansaço crônico, menor capacidade de reação, maior necessidade de sono, falta de apetite, cólica intestinal, apatia, falta de memória, depressão, queda dos cabelos, distúrbios reumáticos e digestivos.

É preciso ter muito cuidado com obturação de amálgama em gestantes. Pesquisas mostram que o mercúrio liberado das obturações atravessa a placenta e alcança o feto, podendo prejudicá- lo. Como os sintomas são comuns, fica difícil apontar uma causa específica. É claro que existem outros motivos para os distúrbios indicados e uma infinidade de correlações imprevistas. Por isso, odontologia ainda não se sentiu motivada a deixar o amálgama. No primeiro mundo, são os próprios clientes que, lentamente, estão derrubando o amálgama. Com isso, abriu-se o caminho para materiais menos prejudiciais à saúde

Despedida do amálgama

Cada um de nós precisa decidir se vai livrar seus dentes do amálgama. Ninguém deveria aceitar uma nova obturação de amálgama. Uma diminuição do teor de mercúrio na boca já pode produzir uma diminuição dos efeitos nocivos. A afirmação: “não existe nada à altura do amálgama” é válida quanto à toxicidade e facilidade de manipulação, mas não com relação à saúde. Não existe um material para obturações que reúna todas as qualidades desejáveis. Mas existem soluções que não envenenam constantemente o corpo. Para as pequenas cavidades, podemos recorrer ao cimento, matéria-prima antiga e bem conhecida. Diversos tipos de cimento são compatíveis com a polpa do dente e aderem muito bem à cavidade. São freqüentemente utilizados embaixo das obturações.

Como substitutos do amálgama, é possível utilizar compósitos (resinas), que podem produzir alergias, mas são muito mais seguros do que o amálgama. Também existem obturações de porcelana fundida. O ouro, extremamente caro, apresenta desvantagens devido à “corrente” naboca, ao gosto metálico e por motivos estéticos. Ocorre interferência quando ainda há amálgama ou alguma substância sintética. A principal vantagem do ouro consiste na sua estabilidade: entre os maxilares, é possível suportar forças de 50 a 70 kg.O tratamento dentário exige bom senso e equilíbrio na escolha do tratamento. Seria melhor evitar esses problemas por meio da alimentação e de um estilo de vida saudável!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *